Vitória adiada pelos toques

Notícias - Automobilismo - Camp. Nacional de Velocidade @ 6-7-2009

O Circuito da Boavista chegou ao fim e Fábio Mota não consegue esconder alguma impaciência quanto á espera pela obtenção de um bom resultado na sua incursão pelas viaturas de Turismo. Os objectivos traçados para este fim-de-semana eram ambiciosos mas o jovem piloto sabe que apenas não foram atingidos, por factores externos ao desempenho da equipa.

Com um Renault Clio que se mostrou muito fiável e colaborante durante os três longos dias de competição, e com Fábio Mota a rodar ao seu melhor nível durante os treinos cronometrados tendo realizado marcas que o colocaram por diversas vezes no topo da tabela da sua categoria, acabaram por ser toques sofridos durante as corridas a ditar resultados muito aquém do esperado e do que objectivamente se demonstrou ser possível.

“Foi um fim-de-semana muito intenso para mim. Desde os treinos livres que senti ter condições para lutar pela vitória na minha categoria. O carro esteve excelente desde Sexta-feira, e a minha adaptação ao circuito foi muito positiva, tendo comprovado nos treinos cronometrados, onde consegui rodar 3 segundos por volta mais rápido do que todos os outros Renault Clio presentes e obter o 3º lugar na Categoria 3”

Fábio Mota teve muito tempo a volta mais rápida na sua posse mas nos segundos finais da qualificação e numa altura em que o piloto de Vila Nova de Gaia já se dirigia para a box, registou-se um forcing final dos seus mais directos adversários que aproveitaram as melhores condições do asfalto no final da sessão para bater o tempo de Fábio Mota por escassa margem, e já não existia tempo para regressar á pista e procurar responder.

Já quanto ás duas corridas do fim-de-semana, Fábio Mota afirma que “Na primeira corrida, com a pista molhada, estive sempre a lutar pela vitória com o Martine Pereira e o Nuno Batista, mas infelizmente um toque do Tiago Petiz antes da entrada para a chicane da Avenida da Boavista impediu-me de continuar nesta luta que estava a ser muito animada até essa altura. Depois do toque caí para o fundo da tabela, mas ainda consegui chegar à quarta posição e efectuar a segunda melhor volta da corrida. ”

“A segunda corrida foi bastante curta para mim, fui novamente vítima de um novo toque, desta vez dado pelo Manuel Fernandes, e que me levou a bater muito forte nos rails de protecção e por consequência ao abandono, tal a extensão dos danos no Clio. Tenho pena que estes incidentes tenham limitado a minha prestação, pois estive sempre muito confiante e rápido neste circuito da Boavista. Neste momento, já estou a pensar na recuperação dos estragos do meu carro para a próxima prova, que se irá realizar noutro mítico circuito citadino, o de Vila Real, de forma a poder reunir as melhores condições para lutar pelos lugares cimeiros. ”

Fábio Mota recusa-se a “atirar a toalha ao chão” frente à adversidade e sabe que esta é a primeira época no Nacional de Turismos e que os incidentes pelos quais foi submetido fazem parte das corridas, mas recusa-se a conformar e prometeu “trabalhar sempre no sentido de chegar ao meu objectivo que são as vitórias e nada menos do que as vitórias. Agradeço todo o apoio familiar, de amigos e público presente que fui sentindo durante o fim-de-semana e manifestar o meu agrado pela excelente cobertura mediática desta prova, que proporcionou um excelente retorno aos meus patrocinadores. ”

A próxima prova decorrerá no último fim-de-semana de Julho no Circuito de Vila Real, de novo com a caravana do PTCC na sua versão Taça de Portugal de Turismos

Maxispot @ 6-7-2009 00:00:00


Mais